Medicina do Sono e Polissonografia

Apneia Obstrutiva do Sono

Descrição do Projeto

apneia-do-sono

Apneia, termo designado para definir a pausa da respiração, ou seja, quando não há movimentos dos músculos da respiração e o volume de ar dentro dos pulmões não tem variação alguma.

Ela pode ser produzida de forma voluntária, quando se prende a respiração (vide mergulhadores), pelo uso de drogas (intoxicação por opióides, por exemplo), induzida mecanicamente (estrangulamento, trauma), bem como por distúrbios respiratórios do sono.

Quando a apneia acontece durante o sono, com a cessação repetitiva da respiração, é classificada como “Apneia do Sono”. A redução do fluxo aéreo respiratório também pode ser parcial, o que denominamos de “Hipopneia”.

Baseados nos mecanismos fisiopatológicos que causam as apneias e hipopneias, podemos considerar várias síndromes (conjunto de sinais e sintomas) principais:

Síndrome da Resistência da Via Aérea Superior;

Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono (SAOS) e

Síndrome da Apneia Central do Sono.

Vamos nos concentrar na SAOS.

Os mecanismos envolvidos na gênese da SAOS são inúmeros. Alguns fatores de risco podem ser adquiridos, como a estrutura craniofacial e a distribuição de gordura corpórea.

A prevalência é maior em homens de meia-idade. Após o climatério, a tendência é o aumento em mulheres até que ocorra um maior equilíbrio entre os sexos.

Dentro dessa síndrome, os sintomas típicos, que sugerem maior possibilidade da doença, são o ronco e a apneia, principalmente quando presenciados por terceiros (cônjuge, pais, filhos, etc.).

A sonolência excessiva diurna, inexplicável por outras causas, muito se confunde com a fadiga física e “stress da vida moderna”. A sensação de dormir e não acordar bem, ou seja, sono não-reparador, dor de cabeça matutina, alterações do humor e alterações cognitivas tais como o déficit de atenção, concentração e memória, fecham a gama de queixas que, em conjunto, são altamente sugestivas de SAOS.

Na grande maioria dos casos o diagnóstico é essencialmente clínico mas, apesar dessa simplicidade, necessitamos da complementação diagnóstica através do exame denominado Polissonografia (PSG), que consiste na monitoração de vários parâmetros fisiológicos simultâneos durante uma noite de sono.

O tratamento clínico e/ou cirúrgico do paciente com SAOS deverá ser realizado a partir de uma avaliação médica especializada em Medicina do Sono.

Detalhes do Projeto

  • Data 13/01/2018
  • Tags

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Voltar para o Topo

Arquivos